Arquivo de trabalho

Margarida

Posted in só na minha cabeça with tags , , , , , , on Janeiro 24, 2010 by João Carvalho

O meu padeiro deixa-me o pão todos os dias em cima do muro. Entre as 6:30 e as 7 da manhã, todos os dias, excepto ao domingos. Chama-se Luís. Eu chamo-lhe Sr. Luís. A mim ele chama-me pelo nome. Dentro de um saco, faça sol ou chuva, 4 bolas frescas de mistura. Quando conto isto dizem-me que é um luxo, ter um padeiro a deixar-nos o pão fresco em casa todos os dias de manhã. Eu pago a maior parte das vezes à semana, ao sábado, quando lá vou à padaria comprar o pão para o domingo. O Sr. Luís, que tem ou 48 ou 49 anos, segundo me disse um dia em conversa, embora não tenha fixado o número, é um homem baixo e quase atarracado, digo quase, pois não sendo gordo consegue fugir a tal característica. É um homem cheio de energia e boa disposição e muito dado à simpatia e conversa. À conversa e ao trabalho. A padaria do Sr. Luís, a “Padaria do Luís” como está escrito na parede à entrada, tem dois fornos que agora são aquecidos a lenha onde é cozido o pão (em tempos eram aquecidos com um queimador alimentado a gasóleo). O Pão de Mafra que depois é vendido por aí fora até Lisboa.
Na padaria trabalham agora Brasileiros onde antes havia Ucranianos. Além destes, os filhos do Sr. Luís. Tem alguns filhos o Sr. Luís. O Sr. Luís meteu-os a trabalhar na padaria desde cedo, ensinou-os a fazer pão. Andam todos por ali à solta. Um dos filhos joga futebol, nos juvenis, e trabalha na Padaria. Um outro mais velho já não quer saber do negócio. A filha do Sr. Luís também trabalha na Padaria. A filha do Sr. Luís está na universidade para um dia vir a ser médica dentista. Deve ter 18 ou 19 anos. Ao sábado, que é o dia em que lá vou comprar o pão para o domingo, ela está sempre lá, é ela que faz o pão. A filha do Sr. Luís, deve ter os olhos azuis, tem a pele branca, os cabelos claros debaixo da touca, as mãos finas, sempre cheias de farinha, e as faces sempre rosadas do calor.
Eu não sei se é um luxo ter um padeiro que nos deixa o pão fresco em cima do muro, todos os dias de manhã. Um padeiro como o Sr. Luís deveria ser um luxo para esta terra. Deveria ser melhor pago.
A filha do Sr. Luís um dia será doutora. Uma doutora que sabe como fazer pão e alimentar esta terra. Será um luxo para esta terra.

Chama-se Margarida e é a rapariga mais bonita que já conheci.
Um dia, quando tiver uma filha, vou chamar-lhe Margarida.

zumbaia

Posted in só na minha cabeça with tags , , on Setembro 23, 2009 by João Carvalho

Se há pessoas que desprezo é gente possuída de mesura, de salamaleques exagerados para com os outros. Revela a baixeza de espírito que possuem, ou pior a sua ausência total, pois se houvesse tal coisa, mesmo que ínfima, lhes permitiria caminhar de cabeça erguida. Mas a estes ainda se poderá desculpar, talvez por uma natureza submissa que lhes foi desgastando as ideias e os modos, de que não possuem a culpa toda. Mas pior do que estes, é essa outra gente, esta de cabeça demasiado erguida que só têm olhos para o céu que lhes coube em cima, céu esse que julgam possuir e ser-lhes predestinado, e que por meio desse estilo reverencial, embora falso e portanto propositado, nos quer agrupar no seu rebanho de auto-promoção, elogío mútuo e de trapaça ao próximo.
Não percebem estes espíritos tacanhos que ovelhas pastando em rebanho não passam de ovelhas pastando em rebanho. Podem balir, balir e voltar a balir que não deixam de pastar em rebanho. Podem tentar berrar que não conseguem.
Cabras e bodes berram, embora também se diga que balem, mas cabrões cabrões a sério só estes últimos o podem ser.

intermarché

Posted in só na minha cabeça with tags , , on Setembro 21, 2009 by João Carvalho

Tudo tão limpo e aprumado, claro e fresco, no ar que se respira abunda uma frieza inodora, as prateleiras arrumadas e os corredores largos. Não me encontro, não encontro o que quero, ando às voltas e o cesto continua vazio. Vou comprar fiambre, quero reservar a minha vez e encontro não sei quantos botões, depois de 1 min imóvel com ar de parvo lá carrego no que diz “Charcutaria”, a senha sai em baixo, lembro-me da loja do cidadão, tento encontrar o painel para verificar a vez, um grande ecrã passa todo o género de informações excepto o nº da vez, olho à volta, para o painel, à volta outra vez e ouço o sinal sonoro e lá está o nº, ainda não sou eu. Espero. Aproveito para escolher o fiambre, não encontro o que quero, só vejo mortadelas de todo o género, quase que desisto, mas espero, sou atendido e levo o da perna Nobre que afinal lá está num armário lateral no meio de 255 qualidades e tipos diferentes. O miúdo diz que temos de levar iogurtes liquídos e vai buscar, também precisamos de guardanapos. Preciso de peixe mas não me apetece lá ir, não confio, há demasiadas flores por ali. Estamos ali a dar voltas há uns bons 15 minutos e decido que vamos embora. Escolho uma caixa com 3 pessoas. A rapariga da caixa olha duas vezes para mim e à 3ª diz-me, se só tem isso pode ir ali às caixas automáticas, eu fingo que não percebo, e ela repete (gosto especialmente de fazer isto – fazer as pessoas repetirem-se), se for às caixas automáticas é mais rápido, olho, são iguais às da Fnac, digo que não, que posso esperar, ela insiste e eu respondo, já viu que se toda a gente for ali você fica sem trabalho? ela hesita, engole em seco e continua o seu trabalho, muito mais lesto. No fim digo boa noite, a rapariga não responde e voltamos costas. Não volto ao Jumbo de Torres Vedras. É muito pouco intermarché.

regra nº1 (e única) do bom colaborador

Posted in só na minha cabeça with tags , on Junho 27, 2009 by João Carvalho

Mantenha sempre um high profile, uma excelente atitude pró-activa e abandone todo e qualquer tipo de retórica.

eles comem tudo

Posted in só na minha cabeça with tags , , , on Maio 23, 2009 by João Carvalho

e não deixam nada

inner circle

Posted in só na minha cabeça with tags , on Maio 8, 2009 by João Carvalho

estar fora é a melhor razão para não estar dentro

mulheres bonitas que prendem o cabelo com o lápis adormecem-me à tarde mais depressa do que à noite.

Posted in só na minha cabeça with tags , , on Maio 7, 2009 by João Carvalho