Arquivo de sonhos

esse momento

Posted in só na minha cabeça with tags , , , , , , on Outubro 25, 2010 by João Carvalho

Devia haver um domingo com um sol só para ti
de madrugada
onde a teu lado um frio triste desistisse nos teus ombros
uma noite que te deixasse assim ilesa
sem mais nada
uma manhã crescendo acesa de tudo o que já fomos

Devia haver a foz de um rio com o descanso da tarde
onde um céu de horizonte adormecesse em ti
o pensamento
um mar que te afogasse fundo a tua dor que arde
um silêncio se fizesse mudo   e fosse meu
esse momento

Anúncios

… for your love

Posted in só na minha cabeça with tags , , , , , , on Maio 22, 2010 by João Carvalho


I’ll work for your love, dear
I’ll work for your love
What others may want for free
I’ll work for your love

I’ll work for your love, Bruce Springsteen

“vou para a cama colocar os pensamentos em dia até me esquecer e adormecer sem dar por isso”

Posted in só na minha cabeça with tags , , on Abril 14, 2010 by João Carvalho

ó linda, e agora depois de me dizeres isto assim, como é que eu vou conseguir adormecer, como? não me dizes, não!?

Margarida

Posted in só na minha cabeça with tags , , , , , , on Janeiro 24, 2010 by João Carvalho

O meu padeiro deixa-me o pão todos os dias em cima do muro. Entre as 6:30 e as 7 da manhã, todos os dias, excepto ao domingos. Chama-se Luís. Eu chamo-lhe Sr. Luís. A mim ele chama-me pelo nome. Dentro de um saco, faça sol ou chuva, 4 bolas frescas de mistura. Quando conto isto dizem-me que é um luxo, ter um padeiro a deixar-nos o pão fresco em casa todos os dias de manhã. Eu pago a maior parte das vezes à semana, ao sábado, quando lá vou à padaria comprar o pão para o domingo. O Sr. Luís, que tem ou 48 ou 49 anos, segundo me disse um dia em conversa, embora não tenha fixado o número, é um homem baixo e quase atarracado, digo quase, pois não sendo gordo consegue fugir a tal característica. É um homem cheio de energia e boa disposição e muito dado à simpatia e conversa. À conversa e ao trabalho. A padaria do Sr. Luís, a “Padaria do Luís” como está escrito na parede à entrada, tem dois fornos que agora são aquecidos a lenha onde é cozido o pão (em tempos eram aquecidos com um queimador alimentado a gasóleo). O Pão de Mafra que depois é vendido por aí fora até Lisboa.
Na padaria trabalham agora Brasileiros onde antes havia Ucranianos. Além destes, os filhos do Sr. Luís. Tem alguns filhos o Sr. Luís. O Sr. Luís meteu-os a trabalhar na padaria desde cedo, ensinou-os a fazer pão. Andam todos por ali à solta. Um dos filhos joga futebol, nos juvenis, e trabalha na Padaria. Um outro mais velho já não quer saber do negócio. A filha do Sr. Luís também trabalha na Padaria. A filha do Sr. Luís está na universidade para um dia vir a ser médica dentista. Deve ter 18 ou 19 anos. Ao sábado, que é o dia em que lá vou comprar o pão para o domingo, ela está sempre lá, é ela que faz o pão. A filha do Sr. Luís, deve ter os olhos azuis, tem a pele branca, os cabelos claros debaixo da touca, as mãos finas, sempre cheias de farinha, e as faces sempre rosadas do calor.
Eu não sei se é um luxo ter um padeiro que nos deixa o pão fresco em cima do muro, todos os dias de manhã. Um padeiro como o Sr. Luís deveria ser um luxo para esta terra. Deveria ser melhor pago.
A filha do Sr. Luís um dia será doutora. Uma doutora que sabe como fazer pão e alimentar esta terra. Será um luxo para esta terra.

Chama-se Margarida e é a rapariga mais bonita que já conheci.
Um dia, quando tiver uma filha, vou chamar-lhe Margarida.

Posted in só na minha cabeça with tags , , , , , on Julho 26, 2009 by João Carvalho

a planta passa fome e precisa de água   diz-me
dou-lhe
não acredito
mas dou-lhe
não há-de ela possuir a destreza da primavera
e avisar-nos de um inverno abundante
(o cão por vezes quando me esqueço
também passa fome)

hoje ainda não choveu ontem
sim   diz-me
uma mulher    não acredito que possa ter palavras
sem cabelos sobre os ombros

hoje não há sons nem pássaros suficientes
sobre a terra   nem aqui nem em qualquer outro lugar
onde não és