Arquivo de portugal

partir

Posted in só na minha cabeça with tags , , , , , , on Agosto 21, 2010 by João Carvalho
Ilha da Culatra, 20 Agosto 2010

dois traços, duas sombras, dois caminhos, um beijo

Anúncios

ai Portugal, não te deixes assim levar

Posted in só na minha cabeça with tags , , on Maio 23, 2010 by João Carvalho

É brutal a diferença entre Marcelo e Santana Lopes que, comentando a situação económica actual, afirmou que para resolver esta crise, Portugal não pode contar com os mesmos de sempre e que estão na sua origem; Santana tem a coragem de romper com o status quo bi-partidário, Marcelo continua com as velhas receitas de professor universitário e lugares comuns de comentador do sistema.
Que nojo ouvir este senhor sem ideias. Continua o seu caminho egoísta em direcção a Belém um dia destes em 2016.

Marcelo & Santana

ó Portugal, quem te avisou, quem foi?

Posted in só na minha cabeça with tags , , on Maio 23, 2010 by João Carvalho

[…] Por isso nós acusamos o Primeiro-Ministro e o Governo de, em nome dos critérios de Maastricht e da participação no núcleo duro da moeda única, prosseguirem e aprofundarem uma política que trava e funciona contra o crescimento económico, o investimento e o emprego no nosso País.

Acusamos o Primeiro-Ministro e o Governo de conduzirem uma política económica subjugada pela prioridade absoluta da moeda única que se traduz numa política de regressão social, de aumento do desemprego e na eliminação de direitos duramente conquistados pelos trabalhadores ao longo de muitas dezenas de anos.
Continuar a ler

o Alentejo está assim

Posted in só na minha cabeça with tags , , on Abril 25, 2010 by João Carvalho

as fotos não fazem jus à cor…

algures no alentejo


...


...


...

jornal amigo

Posted in só na minha cabeça with tags , , , on Fevereiro 13, 2010 by João Carvalho

Uma capa destas, quando o que já está em causa não é se Sócrates sai de cena mas o quando tal vai acontecer, só tem um nome: subserviência.

capa do Público de hoje

Margarida

Posted in só na minha cabeça with tags , , , , , , on Janeiro 24, 2010 by João Carvalho

O meu padeiro deixa-me o pão todos os dias em cima do muro. Entre as 6:30 e as 7 da manhã, todos os dias, excepto ao domingos. Chama-se Luís. Eu chamo-lhe Sr. Luís. A mim ele chama-me pelo nome. Dentro de um saco, faça sol ou chuva, 4 bolas frescas de mistura. Quando conto isto dizem-me que é um luxo, ter um padeiro a deixar-nos o pão fresco em casa todos os dias de manhã. Eu pago a maior parte das vezes à semana, ao sábado, quando lá vou à padaria comprar o pão para o domingo. O Sr. Luís, que tem ou 48 ou 49 anos, segundo me disse um dia em conversa, embora não tenha fixado o número, é um homem baixo e quase atarracado, digo quase, pois não sendo gordo consegue fugir a tal característica. É um homem cheio de energia e boa disposição e muito dado à simpatia e conversa. À conversa e ao trabalho. A padaria do Sr. Luís, a “Padaria do Luís” como está escrito na parede à entrada, tem dois fornos que agora são aquecidos a lenha onde é cozido o pão (em tempos eram aquecidos com um queimador alimentado a gasóleo). O Pão de Mafra que depois é vendido por aí fora até Lisboa.
Na padaria trabalham agora Brasileiros onde antes havia Ucranianos. Além destes, os filhos do Sr. Luís. Tem alguns filhos o Sr. Luís. O Sr. Luís meteu-os a trabalhar na padaria desde cedo, ensinou-os a fazer pão. Andam todos por ali à solta. Um dos filhos joga futebol, nos juvenis, e trabalha na Padaria. Um outro mais velho já não quer saber do negócio. A filha do Sr. Luís também trabalha na Padaria. A filha do Sr. Luís está na universidade para um dia vir a ser médica dentista. Deve ter 18 ou 19 anos. Ao sábado, que é o dia em que lá vou comprar o pão para o domingo, ela está sempre lá, é ela que faz o pão. A filha do Sr. Luís, deve ter os olhos azuis, tem a pele branca, os cabelos claros debaixo da touca, as mãos finas, sempre cheias de farinha, e as faces sempre rosadas do calor.
Eu não sei se é um luxo ter um padeiro que nos deixa o pão fresco em cima do muro, todos os dias de manhã. Um padeiro como o Sr. Luís deveria ser um luxo para esta terra. Deveria ser melhor pago.
A filha do Sr. Luís um dia será doutora. Uma doutora que sabe como fazer pão e alimentar esta terra. Será um luxo para esta terra.

Chama-se Margarida e é a rapariga mais bonita que já conheci.
Um dia, quando tiver uma filha, vou chamar-lhe Margarida.

Posted in só na minha cabeça with tags , , , , on Janeiro 21, 2010 by João Carvalho

Este ministro...

era este ministro

Na realidade é tudo, mas mesmo tudo, uma questão de fé.
Não acreditam!? Eu acredito. Principalmente no jornalismo. No resto sou mesmo ateu.