Acordo na manhã acesa
à beira de um estranho sonho
Sonho com pessoas à minha volta
e as palavras não vêm
Sinto começar a chover
mas é só na minha cabeça
Cabeça com pantânos e ruas inundadas
a água a correr para um buraco fundo
aberto ali no meio
Alguém espreita debruçado
e lá no fundo uma cara sorri
Inclino-me e lá vou eu
Mas acordo na manhã acesa
e a chuva cai sem parar

(1991)

Anúncios

Os comentários estão fechados.